Blog

AS ONDAS DO CAFÉ

Vivemos em um mundo cada vez mais globalizado, influenciado por novas tendências e tecnologias e não poderia ser diferente no mundo dos Cafés Especiais.

Muitos foram as mudanças dessa bebida e essas mudanças e evoluções se dividiram nas chamadas ondas do café, conceito criado pelo barista Trish Skeie em 2003 e desde então ganhou popularidade entre os entusiastas do café.

1º ONDA DO CAFÉ

            A primeira onda se deu após a 2ª Guerra Mundial, onde houve a proliferação da bebida. O café era valorizado pela energia que fornecia e menos por sua origem e sabor. A comercialização era feita quase em sua totalidade nas prateleiras dos supermercados e os grãos utilizados eram da espécie robusta (coffea canéfora).

2º ONDA DO CAFÉ

            A segunda onda foi marcada pelo aparecimento de grandes redes de cafeterias propagando o hábito de tomar café gourmet. A ascensão do uso de máquinas de café espresso e também a valorização do grão arábica em oposição ao robusta, agregando mais valor ao produto, também marcaram bastante este período.

3º ONDA DO CAFÉ

            A terceira onda é representada por pequenas redes e cafeterias independentes, que preferem manter a qualidade acima de tudo através de métodos artesanais como torras claras e recentes, além do preparo da bebida na frente do consumidor. Aqui acontece o direct trade (negociação direta), e essa negociação direta possibilita um maior relacionamento com os produtores de seus cafés, o conhecimento do grão, a origem única, a excelência na qualidade e o cuidado com as questões ambientais e sociais. A produção, em sua maioria, é marcada pelos “micro lotes”, e é aí que reside o charme. Um café, ainda que da mesma propriedade ou região, não terá nunca o mesmo sabor do outro.

            Nesse momento acontece a valorização dos baristas que, contrários à automação do preparo de café, buscam a perfeição em cada bebida. Seja na retirada do espresso perfeito ou no preparo e apresentação dos métodos coados de café.

            Aqui o renascimento do tradicional coado com diferentes métodos de preparo permitindo uma melhor distinção entre as diferentes nuances de sabor que se espera obter de um café de origem única.

JÁ EXISTE UMA QUARTA ONDA DO CAFÉ?

            Já se fala que a quarta onda começou com a entrada dos cold brews no mercado, marcado pelas características da terceira onda ao mesmo tempo que oferecem praticidade, já que são comercializados em latas ou garrafas. Um novo movimento também chama atenção nesse momento, são os chamados coffes lovers, consumidores apaixonados por café, que querem replicar em casa os métodos oferecidos nas cafeterias com todos os equipamentos, apetrechos e rituais de um bom preparo de café.

            Mas por enquanto a quarta onda é só uma especulação, o futuro da terceira onda ainda se mostra promissor com o crescente número de cafeterias especializadas e comprometidas em oferecer qualidade e excelência.

 

Referências:
SILVA, E. C.; GUIMARÃES, E. R.. A “terceira onda” do consumo de café. Bureau de Inteligência Competitiva do Café, Lavras, 2012. O Bureau de Inteligência Competitiva do Café é um projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG). Os trabalhos são desenvolvidos dentro do Centro de Inteligência em Mercados (CIM) da Universidade Federal de Lavras (UFLA).
Cesar, Eduardo. A quarta onda do café começou?
https://coffeeinsight.com.br/a-quarta-onda-do-caf%C3%A9-come%C3%A7ou-ab01ebd10741

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *